COMPARTILHAR
LIVReS
DIASPORA*: COMEÇANDO A USAR UMA REDE SOCIAL MAIS ABERTA
 

Atualização: já há um pod brasileiro na rede diaspora*. O endereço é https://diasporabr.com.br/.

As notícias recentes sobre invasão de privacidade em emails, redes sociais, aparelhos móveis e todos os lugares tocados pela Internet têm causado a mudança de alguns hábitos nas pessoas. Um deles é a procura por serviços oferecidos por entidades ligadas a software livre. Alguns deles chegaram, inclusive, a ter sobrecargas com a chegada em massa de novas pessoas, como é o caso do identi.ca (que funciona na plataforma livre pump.io). Um serviço em destaque nessa linha é a rede diaspora*. Ela funciona de forma parecida com o famoso Facebook, mas ainda com menos recursos e uma diferença fundamental: não está nas mãos de apenas um grupo de pessoas ou empresas: qualquer um pode montar seu próprio servidor, “pod” na nomenclatura oficial, e se integrar ao conjunto.

Usar a rede diaspora* (sim, há um * on final do nome) começa na escolha de um desses pods. Há uma lista atualizada de vários deles no site pod uptime:

http://podupti.me/

Este primeiro passo pode confundir os iniciantes, mas é um dos fatores que dá força à rede. Ao contrário do Facebook, por exemplo, onde há apenas um provedor do serviço (o próprio Facebook), a diaspora* funciona de forma similar a um email: você pode escolher onde quer ter a sua conta e se comunicar com pessoas que escolheram outros pods. Se não estiver satisfeito, basta mudar de servidor. Na hora da escolha do servidor pelo pod uptime, confira o país onde ele está (nenhum brasileiro na lista ainda, infelizmente, mas todos funcionam em português). Verifique também a avaliação dos usuários (user rating), que mede a satisfação dos que já estão lá…

Com o pod escolhido, é hora de criar a conta. Basta entrar e seguir um procedimento normal de criação de conta que estamos acostumados na Internet. Em pouco tempo você vai ser levado a uma tela bem familiar para usuários de redes sociais, o seu “fluxo” (“mural” na terminologia do Facebook).  Há vários elementos familiares na tela e vale a pena gastar um tempo clicando por lá e descobrindo os caminhos. Algumas dicas básicas:

  • Seu identificador na diaspora* é formado sempre pelo apelido que escolheu + @ + endereço do pod. O meu, por exemplo, é “chokito76@pod.orkz.net”. Caso não se lembre do apelido que escolheu, basta clicar no seu nome para ver uma tela de informações.
  • Para adicionar um amigo à sua rede, escreva o identificador dele no campo de busca (fica no canto superior direito). Use o identificador completo, “apelido@pod”. Não importa que ele tenha escolhido outro pod – todos eles se comunicam.
  • Há, de início, uma lista de contatos já acrescentadas para você. Essa lista é montada com base nas hashtags que você indica quando cria a sua conta e podem variar de acordo com o pod escolhido. Isso faz parte de um dos princípios da diaspora*: as pessoas usam as redes para se informar e normalmente têm contatos que vão muito além dos conhecidos no “mundo real”. Você pode mudar as hashtags que segue a qualquer momento.
  • Não há a funcionalidade de envio de fotos, vídeos ou posts mais complexos, mas você pode acrescentar links às postagens que levem a eles: descentralizar e distribuir são palavras de lei. Crie seu blog (o WordPress é um lugar bacana pra isso) e use a rede diaspora* para levar seus amigos a ele, por exemplo.

Por enquanto você vai ter dificuldade em encontrar conhecidos na rede diaspora*, mas à medida que as pessoas descobrem e vão acessando o serviço vai ganhando mais vida. Pode ser, inclusive, uma boa oportunidade de descobrir novos contatos, não?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *